Em Fuga - 2010

Atualizado: Fev 21



01 Chocámos tu e eu

02 Só Mais Uma Volta

03 Já não te encontro mais

04 Parece Que O Destino Nos Quebrou

05 O Lobo

06 O Sinal

07 Amor maior

08 Tens De Largar A Mão

09 Largar O Que Há Em Vão

10 Espaço impossível

11 Caminho De Voltar

12 Se Cuidas De Mim


01 Chocámos tu e eu

Sei que não vais mudar dentro da ilusão,

mas queres parar por ser bom saber que há a minha mão

para descansar,

para te esconder e não mostrar.


Vem!

Não vou perguntar se não queres dizer

Deixa ser o que é bom sentir só mais uma vez,

quase sem tocar, para respirar, só mais uma vez.


Quando eu não quis ver

foi a deslizar,

quando ninguém quis parar, cresceu...

E então chocámos tu e eu.


Diz-me onde estás, vou ter aí já sem razão para desculpar,

já sem saber para onde ir para te fugir,

para me esquivar,

não me destruir.


Quando eu não quis ver

foi a deslizar,

quando ninguém quis parar, cresceu...

E então chocámos tu e eu.


Hoje vais dizer que já não tens paz,

Hoje vens pedir para te ensinar.

Quando ninguém viu, como chuva cai o rio cresceu,

e então chocámos tu e eu.


Sei que não vais mudar e que eu vou partir,

eu quero alguém que me queira bem para me construir.



02 Só Mais Uma Volta

Só mais uma volta

Só mais uma volta a mim

Só mais uma volta desta ninguém vai cair

Só mais uma vez que vês que ninguém está aqui

Queres só mais uma volta e desta ninguém vai cair


Tempo frio afasta o tempo que nos afastou

Primavera lança o laço que nos amarrou

Tempo quente dá vontade de não resistir

Queres só mais uma volta e desta ninguém vai cair


Ainda te sinto a seguir

o rasto que deixo a correr

Ainda penso em ti...

pensa em mim,

mas só mais uma vez.


Diz-me ao que queres jogar que eu vou querer também

Diz-me quanto queres de mim para te sentires bem

Não te vejo bem ao longe não sei distinguir

Queres só mais uma volta e desta ninguém vai cair


E ainda te sinto a seguir

o rasto que deixo a correr

Ainda penso em ti...

pensa em mim,

mas só mais uma vez.


Diz-me quanto tens de honesto, quanto tens de bom

Diz-me quantas provas queres, diz-me quanto sou

Já não sinto nada dentro, não sei perceber...

Queres só mais uma volta e desta ninguém vai dizer.


E ainda te sinto a seguir

o rasto que deixo a correr

Ainda penso em ti...

pensa em mim,

mas só mais uma vez.



03 Já não te encontro mais

Já não te encontro mais,

ai saudade de te encontrar.

Se não te encontro mais,

quem de ti se vai lembrar.


A força nos dois,

desfeita a teus pés.

Não me vês... não me vês

Sou eu, não me vês.


Já não te sinto mais,

ai vazio de não te amar.

Se não te encontro mais,

ai o frio de não te amar.


É escuro o depois,

perdido a teus pés.

Não te vês, não te vês

És tu, não te vês


Razão que nos fez, da luz o calor,

Ai o amor... ai o amor

morreu, não me vês.

sou eu, sou eu, sou eu, não me vês.


04 Parece Que O Destino Nos Quebrou

Parece que o destino nos quebrou

mas não mais a tristeza voltará a mim

Parece que o teu sono nos largou

mas não mais a tristeza voltará a mim

Veio a tempestade sem nos ver

Veio o vento forte e fez chover


Eu pensei que era tão bom

O amor dentro de nos era tão bom

Eu pensei e tu também

que ninguém entrava em nós

Parece que este fumo nos mentiu,

levou-nos pela mão depois fugiu


E bem que não queres ver

quem veio atrás sentir-me a pele

Para me entreter

Para me entreter

Para me entreter

Para te esquecer


Parece que o veneno envenenou

mas não mais a tristeza voltará a mim

Parece que esta curva nos virou

mas não mais a tristeza voltará a mim

Depois de toda a festa não te vi

larguei o que pesava e corri


Eu pensei que era tão bom,

o amor dentro de nos era tão bom

Eu pensei e tu também

que ninguém entrava em nós

Parece que o veneno nos mentiu,

perdeu-nos no caminho e fugiu


E bem que não queres ver

Quem veio atrás sentir-me a pele

Para me entreter

Para me entreter

Para me entreter

Para te esquecer



05 O Lobo

A noite dorme

O lobo mata

Se não te dói,

não te desata


A noite dorme

O tempo passa

O lobo come

mas não te caça


Não te altera

Não te comove

Não te mente

Nem te abraça


Não vês nuvens

mas se chove

será que o povo

vem à praça?


Se não gritas

não te abraçam

Se te escondes

não te acham

Se te esquivas

passa ao lado

Se não te dói

ficas parado


Enquanto não cais eu sei

que enquanto eu não for não vens

Faz medo não ser igual

Faz medo mudar de mão

Faz medo dizer que não

mas podes tentar


O corvo desce,

vai rasteiro

Voo raso

sem receio

O corvo fala

faz magia

O lobo canta

uma cantiga


Se te soa

e achas bem,

vais dançar

cantar também


Bate palmas

Faz o pino

O lobo suja

o teu caminho


Se te adormece

Se te distrai

Se não acordas

o sono não sai

Se não te agrada

não te disforma

Se te incomoda

não te transforma


Enquanto não cais eu sei

que enquanto eu não for não vens

Faz medo não ser igual

Faz medo mudar de mão

Faz medo dizer que não

mas podes tentar


No escuro não te vais mudar

No escuro não te podem ver

À sombra não te vais queimar

À sombra não serás ninguém

E enquanto não dói, eu sei

não te sabes ver.


06 O Sinal

Quem te viu, fez sinal.

Eu olhei, acenei,

Eu fui lá, dizer que eu

quero de volta tudo o que morreu

mas não sei onde está...


Se escondi ou não esperei...

Se guardei não perdi.

Não é fácil lembrar

o tempo que voou

comigo pelo ar

Não é fácil lembrar,

e não sei onde estou.


Mas diz-me onde vais, que eu vou.


Quem sou eu, se não sou?

Para onde corro, se não vou?

Ou se não vais olhar?

Ou se não sei amar mais do que eu amei?

Eu já não sei tapar o tempo que esperei...


Mas diz-me onde vais, que eu vou.


07 Amor maior

Quem quiser ouvir é para ficar

Quem quiser prever pode sair

Mas quem quiser ouvir é para ficar

Se eu nunca fiquei foi por sentir

que a tristeza é sombra que nos cai

quando tudo a volta nos destrói


De tudo quanto todos querem ser,

de todos quantos nunca vão ceder,

poucos são os que não vão pisar

tudo a nossa volta para passar

Será que é assim que a roda vai girar?

Ou é só mais um corpo fraco e cego demais para mudar?


Meu amor vem me escrever,

vem me lembrar de oferecer,

não me esquecer de te inventar um amor maior


Quem guarda segredo quer dizer

Quem guarda tesouro quer mostrar

Quem não tem vergonha quer provar

e todos sabem como tem que ser.

Se o mundo vive na televisão

ninguém vê que fama é solidão


Ouve o barulho a prometer a velocidade

onde todos vão comer, sorrir, amar sem ser verdade

Já ninguém tem força para sair da ilusão

Liberdade construindo uma prisão

Será que é assim que a roda vai girar

Ou é só mais um corpo fraco e cego demais para mudar


Meu amor vem me escrever,

vem me lembrar de oferecer

não me esquecer de te inventar um amor maior


Vê o olhar vazio

O olhar de quem perdeu

O olhar de quem vendeu

tudo a nossa volta é para passar


Meu amor vem me escrever,

vem me lembrar de oferecer

não me esquecer de te inventar um amor maior



08 Tens De Largar A Mão

Tens que largar a mão

para eu sair de pé

Sou o teu anjo e não me vês

na parte calma do que és


Tens que largar a mão

e sair de pé

Sou o teu anjo a procurar

a parte quente do que vês


Mas há portas por fechar

com o chumbo a prender

É mais forte do que quero acreditar

E se tudo vai com o vento a escorrer,

não sou eu quem vai lutar agora


Se eu não for quem vai ser?

Se eu não for quem vai ter o teu melhor?

Se eu não for quem vai seguir a tua mão

e levar-te com o só eu sei?


Vais aprender a olhar quando a dor vier

Vais aprender a desvendar a parte fraca do que és

Para descobrir depois quando a luz voltar:

Tens um jardim a procurar

que precisa de saber

quanto tempo vai durar este muro a prender

É mais forte do que queres acreditar

E se tudo vai com o vento a escorrer

não sou eu que vai lutar agora


Se eu não for quem vai ser?

Se eu não for quem vai ter o teu melhor?

Se eu não for quem vai seguir a tua mão

e levar-te com o só eu sei?



09 Largar O Que Há Em Vão

Tenho o teu abraço cheio

com a solidão no meio

que não me deixa abraçar

Tenho o teu olhar presente

e o desenhar do movimento

do teu corpo a chegar

Tenho o teu riso sentado

e o mistério do teu lado

que preciso desprender

Tenho o corpo a correr

tenho a noite a trespassar

tenho medo de te ver.

É perigoso este perfume

e a memoria do teu nome

É do fogo que nos une

Tenho espaço indeciso,

dá-me mais porque preciso,

mais um sopro do que tens


Deixa andar

Deixa ser

Quando queres entender o que não podes disfarçar

escolhes não sentir mas não é teu para decidir


Se faz bem ao coração largar o que há em vão

Faz bem ao coração


Mesmo longe caiem rosas

como pedras preciosas

que confundem a razão

O mistério do teu lado

entre o certo e o errado

bem e o mal em discussão

Volta a teu o abraço cheio

com o coração no meio,

volto eu a disparar

Não percebo o que queres

Diz-me tu o que preferes,

ir embora ou ficar?

Este espaço intermédio

entre a paz e o assédio

não nos deixa evoluir

Não é dor nem fogo posto

É amar sem ser suposto

É difícil resistir


Deixa andar

Deixa ser

Quando queres entender o que não podes disfarçar

escolhes não sentir mas não é teu para decidir


Se faz bem ao coração largar o que há em vão

Faz bem ao coração


Meu amor esta vontade

Meu amor se é verdade

Meu amor se queres saber

Abre espaço no que é teu

para te dar o que é meu

Deixa andar

Deixa ser.



10 Espaço impossível

Se este ferro queres quebrar,

Se esta pedra queres sentir,

Se este vento queres ter paz,

mas se encontras queres fugir.

Se tens vida queres mudar,

mas se mudas não te vês.

Quem procura encontrar,

quem encontra para esquecer.


Como a noite amanhece qualquer santo enlouquece.


Quando acordas queres amar,

porque o mundo faz-te frio,

como água quer ser mar,

chuva quer ser rio.

Se és semente queres crescer,

mas sem água vais secar,

Vais ser tu a ir buscar o que o mundo não te der.


Como a noite amanhece, qualquer santo enlouquece.


Queres o espaço impossível,

Queres arder o que apagou,

Queres a escolha que passou.

Mas tudo é o que tem que ser,

tudo flui ou te faz crescer leve para o mar,

Tudo é o que tem que ser.


Quando dói não vais gostar,

mas não sais sem repetir.

Quando voltas dói-te mais

mas não sabes resistir.

Porque pomba quer ser águia,

e a águia um falcão.

Como um mar quer tempestade,

e a tempestade, furacão


Vais prender-te ao precipício, porque o perigo é um vício.


Queres o espaço impossível,

Queres arder o que apagou,

Queres a escolha que passou.

Mas tudo é o que tem que ser,

tudo flui ou te faz crescer leve para o mar,

Tudo é o que tem que ser.



11 Caminho De Voltar

Há sempre um sítio para fugir,

se queres saber,

um sítio onde podes descansar.

Há sempre alguém para te agarrar,

ou te esconder.

Se vais cair eu vou te ver

antes da dança, antes da fuga, eu sei-te ver.

Antes do tempo te mudar eu vou saber

Antes da névoa te vestir e te levar,

há um sítio onde o escuro não chegou

para onde podes ir,

Há sempre alguém para te salvar,


Há sempre alguém pra te salvar,

se queres saber,

se queres sentir outro lugar.

Há sempre alguém para te dizer se vais cair

para te travar e adormecer.

antes do dia, antes da luta, eu sei te ver.

Antes da noite te sarar eu vou saber,

antes da chuva te romper e te lavar,

há um sítio onde a estrada te deixou

por onde tens que ir se te queres libertar.


E tudo o que for por bem,

tudo o que der razão

como ponte vai ligar.

Tudo te vai unir,

tudo se faz canção no caminho de voltar.


Há sempre paz noutro lugar,

entre nuvens,

um sítio onde podes perceber

que há sempre alguém para te ver,

em segredo, te descobrir e renovar.


12 Se Cuidas De Mim

Se cuidas de mim

eu cuido de ti também

Dentro da minha mão

eu guardo-te bem

Se amarmos do princípio,

se perdermos tudo outra vez

vou marcar-te bem

como um sonho vão

dentro da minha mão


Se cuidas de mim

eu cuido de ti também

Se vens em paz

eu venho por bem

Se formos bebendo

o chão deste caminho

Vou guardar-te bem

agora que sei

que não vou sozinho


Há uma praia depois da sombra

Uma clareira para iluminar

Há um abrigo no meio das ondas

Tudo caminho para iluminar

Por isso, vem.

16 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo