do princípio - 2014

Atualizado: 21 de fev. de 2021



01 Morena

02 Maria

03 Aquilo Que Eu Não Fiz

04 Sol de Março

05 Do Princípio

06 Fúria e Paz

07 O Que Mereço

08 O Povo Cantava

09 Ameaça

10 Aproxima-te Então

11 Sara

12 Pássaro


01 Morena

Esta morena não sabe

o que o dia tem para lhe dar

Diz-me que tem namorado

mas sem paixão no olhar

Tem um risinho pequeno

e que só dá de favor

Corpo com sede de quente

mas que não sente o calor


Esta morena não dança

quando lhe mostro Jobim

Talvez não goste da letra

Talvez não goste de mim

Cabelo negro sem regra

caindo em leve ombro nu

feito de morno passado

e amor que nunca cegou


Morena no fundo quer tempo para ser mulher

Morena não sabe bem, mas eu no fundo sei

que quando o véu lhe cai,

quando o calor lhe vem,

sempre que a noite quer,

sonha comigo também


Há sítios que ela não usa

por não saber que estão cá

Há mares que ela não cruza

por não ser eu a estar lá

É de mim que ela precisa

para lhe dar o que não quer

Talvez lhe mostre caminhos

onde se queira perder


Esta morena não chora

com um fado negro de Oulman

nem com um poema de O'Neil

na primeira luz da manhã

Sabe de tantos artistas

Canta-me letras de cor

mas não lhe passam por dentro

não lhes entende o sabor


Morena no fundo quer tempo para ser mulher

Morena não sabe bem, mas eu no fundo sei

que quando o véu lhe cai,

quando o calor lhe vem,

sempre que a noite quer,

sonha comigo também


Esta morena não corre quando a chamo pra mim


(E quando ela foge

tanto lhe faz

Quando eu me for

morena não vem atrás)



02 Maria

Que bonita é Pilar...

mas eu não a quero


Que bonita é Leonor...

mas eu não a quero


Inês sabe quanto vale...

mas eu não a quero


Carolina quer-me bem,

mas eu não a quero


Júlia diz que quer também

mas eu não a quero


...eu quero é Maria


Ana dança para mim

mas eu não a quero


Margarida faz que sim

mas eu não a quero


...eu quero é Maria


Maria sabe quem sou por trás das luzes

Sabe quem sou por trás da luz

e só eu sei quem Maria, é



03 Aquilo Que Eu Não Fiz


Eu não quero pagar por aquilo que eu não fiz

não me fazem ver que a luta é pelo meu país

Eu não quero pagar depois de tudo o que dei

não me fazem ver que fui eu que errei


Não fui eu que gastei

Mais do que era pra mim

Não fui eu que tirei

Não fui que comi

Não fui eu que comprei

Não fui eu que escondi

Quando estavam a olhar

não fui eu que fugi


Não é essa a razão

para me quererem moldar

porque eu não me escolhi

para a fila do pão

Este barco afundou

houve alguém que o cegou

Não fui eu que não vi


Eu não quero pagar por aquilo que eu não fiz

não me fazem ver que a luta é pelo meu país

Eu não quero pagar depois de tudo o que dei

não me fazem ver que fui eu que errei


Talvez do que não sei,

talvez do que não vi

foi de mão para mão

mas não passou por mim

e perdeu-se a razão

todo o bom se feriu

foi mesquinha a canção

desse amor a fingir


Não me falem do fim

se o caminho é mentir

Se quiseram entrar

não souberam sair

Não fui eu quem falhou

Não fui eu quem cegou

Já não sabem sair


EEu não quero pagar por aquilo que eu não fiz

não me fazem ver que a luta é pelo meu país

Eu não quero pagar depois de tudo o que dei

não me fazem ver que fui eu que errei


Meu sonho é de armas e mar

Minha força é navegar

Meu norte em contraluz

Meu fado é vento que leva e conduz



04 Sol de Março


O que não está bem, está mal, pois bem,

se eu quiser ser o bem, do mal, de alguém

Talvez o que eu seja queira andar

Talvez o que eu queira seja amar

Talvez o meu nome seja teu

Talvez em teu nome seja o meu

E no fim do dia quem quiser

há-de se inventar depois da dor

E no fim do dia quem se der

há-de ser melhor


Quando não sou livre quero ser

tudo o que está dentro da razão

Quando não estou vivo quero ter

o que não faz parte da canção

Talvez o que eu seja vá mudar

tudo o que não seja em mim perdão

mas o que este dia vem dizer

tudo o que esta luta quer mostrar,

que no fim do dia quem se der

há-de querer ficar


E por tudo o que eu não soube ser

dou-te o sangue do meu corpo vão

E por tudo o que não quis perder

entre a raiva do meu coração

Entre o sol de março a bater

e a curva da desilusão

Entre a casa quente do amor

e o jogo ardente da paixão

E por tudo o que não sei dizer

perdão.



05 Do Princípio

Faz-te bem não pensar de mais no que é melhor para ti

Faz-te bem descansar depois da fuga até aqui


O principio é feliz, no segredo entre as marés

Quando ninguém está a olhar, não vês


O meu principio é aqui

quando este rio se dá ao mar

quando este norte nos largar

O meu principio é aqui


Faz-te bem apagar da pele a linha que escrevi

Faz-te bem não levar o céu que inventei para ti


O principio é feliz, no segredo entre as marés

Quando ninguém está a olhar, mas vês


O meu principio é aqui

quando este rio se dá ao mar

quando este norte nos largar

O meu principio é aqui


Onde esta fuga nos levar

Onde o teu corpo não vier

Onde o meu sangue não pedir

Onde este norte nos levar



06 Fúria e Paz

Minha fúria, minha paz, meu bem

se não fiz o que devia foi talvez porque temia

não te saber serenar

a luta que por dentro

fazia alimento

do mundo a gritar


Não me ouviste chamar

do alto deste monte

tão longe da mentira,

mas perto está o dia

A água desta fonte

só nos pode lavar

A sombra não te via,

mas alto é o nosso monte

bem onde o tempo brilha

Não me ouviste chamar

mas quando à noite vens, eu sei

que és minha


Minha ausência, minha luz, eu sei

que nem sempre te fiz bem

bem longe do que querias

Não te soube encontrar

no fundo da maldade

puxar-te a verdade

para poderes confiar


Não me ouviste chamar

do alto deste monte

tão longe da mentira,

mas perto está o dia

A água desta fonte

só nos pode lavar

Mas quando à noite vens eu sei

que és minha



07 O Que Mereço

Esta noite não chega ao fim

Esta noite não chega ao fim

Não há luz ao fim do túnel

Não há luz ao fim do túnel

Esta noite não chega ao fim


Esta selva não chega ao fim

Esta selva não chega ao fim

Rasga-me mas não me quebra

Rasga-me mas não me quebra

Esta selva não chega ao fim


A desilusão é só mais um passo

há que saber perder, ceder o espaço

Se a desilusão é tudo o que penso

há que saber lembrar o que mereço


Este tiro quer perfurar

Este tiro quer perfurar

Bala no meu peito aguenta

Bala que o meu peito enfrenta

Este tiro quer perfurar


A mentira não chega ao fim

A mentira não chega ao fim

Olha-me mas não de frente

Olha-me e a toda a gente

A mentira não chega ao fim


A desilusão é só mais um passo

há que saber perder, ceder o espaço

Se a desilusão é tudo o que penso

há que saber lembrar o que mereço



08 O Povo Cantava

O povo cantava mas ninguém ouviu

Os olhos pediam mas ninguém se viu

Ergueram-se braços e alguém gritou:

"Lento vazio

que nos secou

Negro este sim

que nos ganhou"


Sei que procurámos mas não há razão

capaz desta fuga pelo coração

capaz deste risco de não ser ninguém

Leve ilusão

quer desviar

a direcção


O mundo a pedir

O mundo a mudar

Ninguém vai ouvir

Ninguém vai olhar

Mas terei a luz

na escuridão

Dentro da pele

deste perdão

Sitio melhor

para conquistar

que sabemos ser

sem nunca chegar


Lançaram palavras sobre a solidão

Falou-se de culpas pediu-se perdão

Há esta maneira de se desviar a direcção

Secreto mar

de escuridão


O mundo a pedir

O mundo a mudar

Ninguém vai ouvir

Ninguém vai olhar

Mas terei a luz

na escuridão

Dentro da pele

deste perdão

Sitio melhor

para conquistar

que sabemos ser

sem nunca chegar


O povo avançava mas já sem lugar

Pede-se justiça mas já sem julgar

Meu corpo cedeu quanto o teu chorou

Negra ambição

que nos cegou

Lento vazio

de querer voltar